Violência doméstica aumenta durante isolamento social. - Deputado Wendell
15928
post-template-default,single,single-post,postid-15928,single-format-standard,qode-quick-links-1.0,ajax_fade,page_not_loaded,,side_area_uncovered_from_content,qode-theme-ver-11.0,qode-theme-bridge,wpb-js-composer js-comp-ver-5.3,vc_responsive
 

Violência doméstica aumenta durante isolamento social.

Violência doméstica aumenta durante isolamento social.

Durante o isolamento social imposto pela quarentena, milhares de mulheres têm se resignado perante a violência dos parceiros dentro de casa.

A América Latina possui a maior taxa de violência de gênero e tem superado recordes todos os anos. Com as medidas de isolamento social, casais são obrigados a viver juntos por tempo indeterminado, as mulheres se encontram em uma situação ainda mais delicada que antes.

Devido ao medo de contágio pelo coronavírus, as vítimas também não têm recorrido aos hospitais. Restando como solução apenas as denúncias anônimas.

O Brasil registrou um aumento no número de denúncias, assim como a Argentina e a Colômbia. O Brasil é o país onde mais mulheres morrem na América Latina. De acordo com dados do Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos, as queixas por telefone aumentaram 17,97% nos nove dias seguintes à data em que o confinamento entrou em vigor.

A presidente da Comissão Interamericana de Mulheres (CIM), Janet Camilo, conta que a previsão é da violência doméstica chegar a uma curva ascendente. O pico dessa curva será atingido quando o confinamento terminar.

A condição social das famílias também tem sido um desafio para que as denúncias cheguem até as autoridades. Como forma de facilitar a comunicação, o governo brasileiro, e outros países da América Latina, implementaram um aplicativo através do qual as vítimas podem denunciar qualquer tipo de violação de direitos fundamentais. Entretanto, muitas mulheres não possuem acesso à internet.

Foi para combater estatísticas como essa, que apresentamos o PROJETO DE LEI Nº 626/2019 que prioriza o atendimento e agilidade na emissão de laudos às mulheres vítimas de violência doméstica e sexual no Instituto Médico Legal do Maranhão. Esses laudos são fundamentais para elucidar e produzir provas para identificar os autores de violência contra mulheres com mais rapidez.

É importante garantir o endurecimento e punição aos agressores e criar mecanismos de divulgação e conscientização da sociedade sobre o tema. Além disso esse projeto quer garantir um acolhimento melhor e mais agilidade no poder público nos atendimentos.

Sem comentários

Inserir um comentário